Monsanto, aldeia de origem remota
com registo de presença humana desde o Paleolitico.

A falta de estudos cientificos aprofundados na arquelogia local,
leva ao desconhecimento dos periodos pré e proto históricos,
no entanto vestigios arqueológicos dão conta da Presença de um Castro Lusitano
e de um villae e termas romanas no campo de Saão Lourenço
localizado no sopé do monte de monsanto.

Foi conquistada aos Mouros em 1165 pelo Rei Dom Afonso Henriques,
e foi doada à Ordem dos Templários que lhe edificaram o Castelo por Ordem do Mestre Gualdim Paes
Recebeu Cartas de Foral dos Reis Dom Afonso Henriques(1174) e Dom Sancho I (1190).
no reinado do Rei Dom Diniz recebe "Carta de Feira" (1308)

A sua arquitectura popular edificada no meio granitico apresenta uma tipicidadade própria
pelo englobamento de grandes batólitos graniticos rolados na estrutura das habitações,
que lhe conferem uma expressividade da dureza própria das suas gentes serranas.

De notar já no campus do Castelo (em ruinas devido à explosão dos paiois no séc XIX)
a existência da Capela de São Miguel (sec XII) rodeada de sepulturas escavadas na pedra.

Em Monsanto viveu e faleceu o grande Escritor Português Dr Fernando Namora (séc XX) médico de profisssão.

Pela sua genuidade, simplicidade e caracteristicas das suas gentes recebeu Monsanto
o título de "Aldeia mais Portuguesa de Portugal".

Localidade
 
Descrição
 
Coordenadas
Altitude
Fotografado a
Monsanto